terça-feira, 8 de abril de 2014


Pipoca de papel


Publicado em / /            Comente esse post

Eu sempre fui uma criança meio bobinha meio esperta. Nem sempre me sobressaia, porém não era tão lerda. Conforme fui crescendo e aprendendo a malícia desse mundo, fui me tornando um adolescente bem criativo e rápido. Tinha poucos amigos, mas o que tinha eu conservava. Nunca fui popular, mas dava meu jeitinho de me destacar no que gostava.

Quando cursava o 1º Colegial, tinha uma amiga, a Marina que era má! Era perversa e ninguém a impedia de nada. Uma vez sabotamos o trabalho de dois nerds que a gente não se dava muito bem. O trabalho deles tinham ficado lindo, a professora amou e pediu para que ela pudesse levar a maquete embora para usar numa exposição. Não feliz com isso, a Marina foi lá na hora do recreio e sem que ninguém visse, destruiu boa parte do trabalho deles. Sem contar uma vez que em um trabalho, apresentamos uma paródia de uma música falando sobre uma garota de nossa sala, a lerda J. Eu tentava ser neutro, mas ela me conduzia a maldade.

Num belo dia, a Marina decidiu me infernizar e me botar apelidos. Só que ela não tinha limites, não sabia quando era a hora de parar e continuou a manhã toda me atazanando. Fui apenas escutando. Na hora do recreio, fomos comprar nossos lanches e eu comprei um salgado frito e ela um pacote de pipoca doce:


O meu "enroladinho" veio com um guardanapo fino para que não engordurasse a mão. Assim que acabei de comer, fiz uma bolinha com o papel e fiquei segurando. A Marina veio e me ofereceu pipoca e eu pensei: "Ahá, agora é a hora da revanche!"
Num ato rápido eu soltei a bolinha de papel dentro do pacote de pipoca doce e peguei algumas para disfarçar. Ri muito e ela nem percebeu o que eu tinha feito. Depois chegou mais gente e no meio da conversa acabei me esquecendo da bolinha de papel que havia solto no pacote.

Quase ao fim da aula, a Marina não satisfeita veio me encher o saco mais um pouco, e eu numa crise de riso soltei:
"- Pois é, mas eu joguei uma bolinha de guardanapo dentro da sua pipoca!"
Essa menina ficou furiosa. E eu ri mais ainda com o que ela disse em seguida:
"- Ahhhhh, então era por isso que aquela pipoca tinha um gosto de papel salgado!! SEU #$%#$@! #%$%%#%$%@# $%#@$%#$ #@%"

HAHAHAHAHAHHAHAHAHAHA

Pra mim aquilo valeu o dia. Ela tinha experimentado do próprio veneno.
E vamos combinar que devia ter um gosto horrível.

E claro, eu não aconselho que façam isso. Até porque a Marina hoje em dia está super saudável, mas vai que a pessoa não dá a mesma sorte. Esse texto é apenas para diversão. Por favor, não repitam isso! Por favor! hahahaha

E Marina se você estiver lendo esse post, lembra-se que eu te amo! Sinto sua falta.
Mas você era má! E claro, da próxima não me ofereça pipoca!

Abraços...

Pedro, o vingativo



0 comentários:

Postar um comentário

Comente, mantenha esse blog vivo!